NOTÍCIAS

Confira as principais matérias do setor e fique por dentro!

Fraudes na Saúde geram prejuízo de mais de R$ 14,5 bilhões por ano no Brasil

Fraudes na Saúde geram prejuízo de mais de R$ 14,5 bilhões por ano no Brasil

Estimativa do Instituto Ética Saúde mostra que pandemia da Covid-19 aumentou o risco de corrupção nos sistemas público e privado, práticas de sobrepreço, desrespeito aos mínimos preceitos de qualidade, adulteração de produtos e falsificações

O Instituto Ética Saúde (IES) – que congrega a indústria de produtos médico-hospitalares, hospitais, laboratórios, entidades médicas, planos de saúde e indústria farmacêutica, com o apoio de órgão reguladores do governo – estima que pelo menos 2,3% de tudo que é investido na saúde se perca com fraudes. No Brasil, o orçamento destinado ao setor (público e privado) nos últimos anos correspondeu, em média, a 9% do PIB, segundo dados da Organização Mundial da Saúde. O equivalente a R$ 630 bilhões. Ou seja, por ano, o país perde pelo menos R$ 14,5 bilhões, o que daria para construir 1400 hospitais de campanha com 200 leitos cada um ou comprar 290 mil respiradores mecânicos.

A pandemia da Covid-19 gerou novos investimentos e mais despesas para o governo federal, que totalizam outros R$ 24 bilhões, segundo o portal da transparência do Tesouro Nacional, e outros tantos bilhões dos estados. Neste cenário de urgência nas ações para a compra de produtos médico-hospitalares, o Instituto Ética Saúde alerta para o aumento do risco de desvios de dinheiro público ou privado e má gestão pública.

"Considerando a natureza desses novos gastos, com a agilidade necessária para conter a pandemia e seus efeitos perversos, as garantias convencionais estão em grande parte abolidas (Lei 8.666/1993, de licitações), prevalecendo as leis de mercado e, pior do que isso, a lei da selva, de acordo com a qual oportunistas e predadores estão tendo grandes oportunidades com a longa e difícil cadeia de suprimentos e com a simples desfaçatez", afirma o médico e diretor técnico do IES, Sérgio Madeira.

O IES fez um levantamento dos riscos mais comuns de serem encontrados numa situação de relaxamento regulatório neste momento de crise, de flexibilização nas relações formais que deveriam existir:

1.Compras Públicas

  • Desvio de recursos
  • Descumprimento contratual (entrega ou pagamento)
  • Desperdício

2.Abusos de preços ou em condições contratuais

3.Corte ou negativa de fornecimento

4.Imposição de condições abusivas

5.Acordos entre concorrentes

6.Descumprimento contratual Privado

  • Entrega
  • Pagamento

7.Produtos de baixa qualidade

  • Fragilidade regulatória
  • Falsificação

8.Alocação inadequada de recursos

  • Intervenção administrativa oportunista
  • Distribuição não isonômica

O IES defende que o Ministério da Saúde crie uma instância de caracterização e avaliação contínua da fraude. "Todos devemos entender que é necessário ter uma medição das distorções, como forma de cada cidadão poder acompanhar seu atendimento e as ações gerais do SUS, pensando no possível benefício de aplicar as verbas de maneira sustentável", diz Madeira.

Canal de denúncias

O IES se coloca à disposição do público para registrar as ocorrências de eventos de falta de ética e de flagrante de desrespeito às leis, práticas de sobrepreço, lucros abusivos, desrespeito aos mínimos preceitos de qualidade, adulteração de produtos, falsificações e fraudes, entre outras práticas. Para isso, convida todos a participar do controle social (https://www.canalconfidencial.com.br/canaleticasaude/), denunciando de forma eficaz os casos de desvios dos recursos públicos e privados.

"As denúncias são necessariamente sigilosas, podem inclusive ser anônimas, feitas por telefone (0800-741-0015), por e-mail ou através do site. Fique em casa! Fique alerta, denuncie com seriedade e consistência. O Instituto Ética Saúde tem acordos de cooperação com o TCU, CGU, ANVISA, AMPASA, CADE e outros órgãos. Vamos ajudar a tratar da pandemia e da endemia! Ética não é moda! Ética é Saúde!", finaliza Madeira.

Noticias Relacionadas