NOTÍCIAS

Confira as principais matérias do setor e fique por dentro!

Plataforma simplifica a rotina de compra de equipamentos de proteção individual

Plataforma simplifica a rotina de compra de equipamentos de proteção individual

BuscaEPI é uma ferramenta que traz orientações técnicas sobre Equipamentos de Proteção Individual, além de conectar compradores e fornecedores

A pandemia do novo coronavírus deixou evidente no país o termo Equipamentos de Proteção Individual ou simplesmente EPIs.  Nunca se falou tanto a respeito, assim como a falta deles, principalmente para os profissionais de saúde que estão na linha de frente dos cuidados aos pacientes infectados com a Covid-19 tem causado comoção e alerta mundial.

O jornalismo da Medical Fair Brasil (MFB) traz aqui as informações do BuscaEPI, o primeiro marketplace criado exclusivamente para comercialização de EPIs. Trata-se de uma plataforma desenvolvida e administrada pela SafetyTec, startup de tecnologia que desenvolve soluções para a área de Segurança do Trabalho.

O objetivo é simplificar e tornar mais prática a rotina de compra de EPIs dentro das empresas de portes e segmentos distintos, além de ampliar a área de atuação comercial de distribuidores, revendas e fabricantes, utilizando tecnologia para captação, negociação e efetivação de vendas pela internet.

“Em 2012 criamos uma plataforma cuja proposta era uma orientação técnica sobre EPIs. Chegamos a 2020 como uma plataforma consolidada, que conecta compradores e fornecedores de EPIs, com 14 a 20 mil usuários diariamente e picos de 33 mil. Temos um mailing altamente qualificado com quase 70 mil usuários. Toda essa audiência é composta por profissionais verdadeiramente envolvidos com a seleção, homologação, tomada de decisão, a compra dos EPIs. Na outra ponta temos um dos maiores catálogos de fornecedores de EPIs do país – distribuidores e fabricantes desses equipamentos”, conta o co-founder & CEO da SafetyTec, Thiago Avelino.

O BuscaEPI é um hub de conexão. Compradores de EPIs do país inteiro inscrevem suas demandas dentro do portal, que de maneira automatizada dispara um alerta para o catálogo de fornecedores. Os fornecedores que têm interesse em atender o país inteiro inserem suas propostas e do outro lado os compradores recebem. Dessa forma se pode comparar produto, preço, condição de pagamento e fechar negócio com aquele que melhor lhe convém.

Proposta de valor

“Nós otimizamos o tempo na busca por um fornecedor em até 70%. Têm compradores que levavam uma semana entre fechar uma compra e buscar o EPI, hoje ele faz isso em meio dia, ou menos até, de duas a três horas, em alguns casos, dependendo da complexidade e do tamanho da compra. Para o fornecedor conseguimos abrir portas em algumas transações que ele levaria muito tempo para fazer, trazemos oportunidades de vendas altamente concretas”, afirma Avelino.

A pandemia e a consequente falta de EPIs para o cotidiano de indústrias e instituições de médico-hospitalar, principalmente, aumentou em 30% a audiência da plataforma. Segundo Avelino, o BuscaEPI tem bastante conteúdo e consegue conectar quem está buscando respiradores descartáveis, protetores faciais e vestimentas de proteção com os fornecedores. Estas são as maiores categorias de buscas. Houve, de fato, uma demanda muito maior do que o volume que se tem condição de atender.

“Esse mercado tem mais demanda que oferta. Temos muito mais players de fornecimento de EPIs, porém temos poucos players que são capazes de atender demandas altas. Isso já é um perfil consolidado desse mercado”, explica o CEO.

Crise

A pandemia de Covid-19 teve início na China, coincidentemente de onde vêm a maioria dos EPIs comercializados hoje no Brasil. Quando o governo chinês fechou portos e aeroportos para tentar controlar a disseminação da doença, ocorreu uma paralisação imediata na importação desses materiais e a total dependência brasileira trouxe consigo uma preocupação absurda com os profissionais de saúde e a necessidade de soluções imediatas para suprir a falta de equipamentos àqueles que mais precisam.

Ainda que alguns produtos sejam fabricados no Brasil, a matéria-prima vem da China, principalmente para respiradores. Houve uma sobrecarga no sistema. Para Avelino, já se tinha um cenário pouco favorável, com muita procura e pouca demanda. Hoje, o BuscaEPI recebe diariamente dezenas de milhares de solicitações. São Paulo é o estado com o maior fluxo de operações.

Segurança

“O BuscaEPI tem como core business mapear os programas que compradores de EPIs têm e entender como que podemos conectá-los aos fornecedores. Dentro da nossa plataforma o comprador de EPIs pode descrever sua demanda e estar integrado com o maior banco de dados sobre EPIs do país. Existe uma segurança de dados e de informações muito concreta. Além de poupar tempo, se pode conectar com fornecedores de EPIs do país garantindo economia de tempo e qualificação”, reitera o CEO.

De acordo com Avelino, quem é supply chain pode se ater bastante a questão do compliance. O BuscaEPI é uma ferramenta totalmente transparente, que gera relatórios, tem mapeamento de preços, processos sem risco de fraudes e risco de informações, tudo para minimizar o risco de uma situação de emergência que possa levar a não encontrar um fornecedor.

Leia mais: Agilidade e eficiência – a gestão do supply chain na saúde em tempos de crise

“A Medical Fair Brasil compreende a importância de iniciativas inovadoras no enfrentamento da crise gerada pelo coronavírus e o BuscaEPI certamente está junto conosco no desafio de impulsionar e fazer chegar EPIs para quem está precisando adquirir. É nosso papel social apoiar e divulgar este tipo de trabalho”, conta a diretora da MFB, Malu Sevieri.

Noticias Relacionadas